Audiência Pública discute aumento de roubos de cargas de medicamentos em Minas

Crédito: Guilherme Bergamini/ALMG
Crédito: Guilherme Bergamini/ALMG

O aumento de roubos a cargas de medicamentos foi tema de audiência pública, nesta terça-feira (12/9), na Comissão de Segurança Púbica da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Além dos prejuízos financeiros às empresas transportadoras, os roubos estão comprometendo a distribuição de remédios em Minas Gerais e colocando em risco motoristas e trabalhadores do transporte. A audiência foi solicitada pelo deputado Sargento Rodrigues, do bloco Verdade e Coerência, após verificar a escalada nos registros de ocorrências desse tipo de ação criminosa, em especial, durante o transporte dos medicamentos de Belo Horizonte e região metropolitana às unidades de distribuição.

De acordo com o diretor técnico da Federação das empresas de transporte de cargas de Minas Gerais, Luciano Medrado, medicamento é o terceiro item mais roubado. “No ano passado foram R$ 218 milhões em cargas roubadas no Estado”, informou. Representantes da 3G LOG Transportes Ltda, DNG Transportes e Profarma Distribuidora de Produtos Farmacêuticas também participaram da reunião. Nos primeiros oito meses deste ano, as três empresas foram vítimas de 17, 11 e 12 roubos de cargas, respectivamente. O deputado salientou o descaso do governo do estado com ações criminosas como estas e com a segurança pública em geral. Ele garantiu que a Comissão de Segurança Pública tomará providências, mesmo com a ausência de órgãos como a Polícia Militar, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e o Ministério Público na audiência pública.Rodrigues apresentou requerimentos que pedem providências acerca da situação do aumento dos roubos de carga. O primeiro deles é para que seja realizada visita às Superintendências Regionais da Polícia Federal, bem como da Polícia Rodoviária Federal em Minas Gerais, considerando as graves denúncias realizadas durante audiência pública da comissão que debateu a incidência de roubos a cargas de medicamentos.

O segundo requerimento solicita que seja encaminhado à Presidência da República e ao Ministério da Justiça, pedido de providências para priorizar o aumento e a distribuição de efetivo da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal para o Estado de Minas Gerais, uma vez que a maior malha viária de rodovias federais do país está em Minas, bem como há o considerável aumento da prática de roubos a agências bancárias com a utilização de explosivos, a incidência de roubos de cargas em rodovias federais que atravessam Minas Gerais e outras modalidades criminosas, cuja competência originária de investigação e repressão constitui atribuição das forças federais de segurança pública.

Outro requerimento apresentado pede que seja encaminhado à Chefia da Polícia Civil e ao comando-geral da Polícia Militar pedido de providências para a criação imediata de força-tarefa permanente e interinstitucional, com a participação da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público de Minas Gerais, com vistas a proceder à repressão qualificada aos crimes de roubos e furtos de cargas em todo o Estado.

O deputado apresentou também requerimento para que seja encaminhado à Chefia da Polícia Civil e à Vigilância Sanitária do Estado, órgão que integra a Secretaria de Estado de Saúde, pedido de providências para a criação imediata de força-tarefa permanente e interinstitucional, voltada para a fiscalização de farmácias da Região Metropolitana de Belo Horizonte e de todo o Estado em que haja suspeita de comercialização de medicamentos oriundos de crimes de roubos e furtos de cargas, conforme graves denúncias apresentadas em audiência pública da comissão.

Deixe uma resposta