Comissão de Saúde debate o fechamento de unidade do Hospital Galba Veloso

Servidores do Galba Ortopédico querem impedir o encerramento das atividades; deputados vão visitar o local e realizar audiência pública para debater o assunto

O fechamento da Unidade Ortopédica do Hospital Galba Veloso foi tema de discussão na Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na manhã desta quarta-feira (02/08). Funcionários da unidade denunciaram a falta de diálogo e expressaram sua indignação com a decisão do governador Fernando Pimentel (PT) de encerrar as atividades de uma estrutura que mantinha cerca de 300 cirurgias por mês, 1000 atendimentos ambulatoriais pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e 200 funcionários.

Os funcionários somente foram notificados do fechamento em cima da hora e, de acordo com eles, os usuários ainda estão sem notificação oficial – alguns, que aguardam cirurgia, seguem internados no local. O presidente da Comissão, deputado Carlos Pimenta (PDT), destacou a necessidade da discussão sobre o assunto e propôs visita dos membros da comissão à instituição e audiência pública já para a próxima semana.

Ao invés de investir em melhorias e sanar falhas apontadas pela Vigilância Sanitária no imóvel da unidade ortopédica, a Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) preferiu fechar as portas. Após acordo com o Ministério Público no início do ano, a Fhemig ganhou mais seis meses para se adequar, mas não fez os investimentos necessários.

Para a coordenadora do SindSaúde, Neuza Freitas, é um absurdo que uma unidade tão importante para a saúde pública do estado seja fechada sem que qualquer esforço seja feito. “Quem tem que investir na estrutura hospitalar é a gestão estadual. Então que o governo cumpra seu papel. E o papel do governo do estado não é simplesmente tirar profissionais de seus locais de trabalho, não é fechar unidades de saúde. Não vamos permitir o desmonte da saúde na rede Fhemig, começando pela unidade do Galba”, disse.

A Fhemig determinou a retirada e relocação de todos os funcionários do Galba Ortopédico até nesta quarta-feira (2/8). O posicionamento dos trabalhadores da unidade é de permanecer no local e lutar contra o fechamento. Na quinta-feira (3/8) está marcada reunião entre a Rede Fhemig, Ministério Público, Conselhos estadual e municipal de saúde e um representante da Comissão de Saúde.

Para o deputado Carlos Pimenta todo o processo e os motivos que culminaram na decisão de fechar a unidade ortopédica devem ser amplamente debatidos e explicados para a população e para os servidores. “Precisamos avaliar as possibilidades e o impacto que uma decisão como esta tem para o estado. É papel do parlamentar acompanhar e fiscalizar situações como esta e a Comissão de Saúde está aberta para que todos os lados sejam ouvidos e todas as opções cogitadas. A saúde de Minas não pode sair perdendo”, disse.

Deixe uma resposta