Deputados denunciam descaso com a segurança no Aglomerado da Serra

O sucateamento da segurança pública de Minas Gerais durante a gestão de Fernando Pimentel à frente do governo não poderia ser mais evidente no Aglomerado da Serra. Representando a Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, os deputados João Leite (PSDB) e Sargento Rodrigues (PDT) estiveram na manhã desta quinta-feira (04/02) na Área Integrada de Segurança Pública (Aisp) do Aglomerado da Serra, onde foram constatadas deficiência no número de policiais e de viaturas, falta de água e luz, além de munição imprópria para uso.

Inaugurada em janeiro de 2014, com o intuito de abrigar policiais militares do Grupo Especializado de Policiamento em Áreas de Risco (GEPAR), da 127ª Companhia do 22º Batalhão de Polícia Militar e policiais civis da 3ª Delegacia Sul, a AISP foi construída com o propósito de contribuir à integração das policias, mesclando a atuação ostensiva, com ações de políticas sociais e mediações de conflitos. Após um primeiro ano de bom funcionamento, a AISP do Aglomerado da Serra mostra agora a realidade do descaso do governo Pimentel com a Segurança Pública.

“É lamentável ver um posto, que deveria servir a população com segurança pública, abandonado a ponto de servir apenas como criadouro para o mosquito Aedes Aegypt. Nem a manutenção do lugar é feita e sobra à população mais problemas e nenhuma solução à violência crescente”, disse João Leite.

Os deputados constataram que hoje apenas dois policiais trabalham por turno na AISP, em média, para atendimento a uma população de cerca de 70 mil habitantes. Para o deputado Sargento Rodrigues, o número reduzido de policiais tem relação direta com o aumento da violência na região. “O crime avançou porque o número de policiais encolheu. Não há outra explicação”, afirmou Rodrigues. “Não encontramos aqui nem um destacamento, que é a base do pelotão”, completou.

“Infelizmente, a Serra é hoje apenas um retrato dos resultados da má gestão da segurança pública, aliada ao corte de despesas pelo governo.” lamenta Rodrigues. Até o mês de novembro, os crimes violentos haviam crescido 19,26% em Belo Horizonte em 2015 quando comparados ao ano anterior, chegando a um total de 40.230 ocorrências. Este é resultado de queda de 86,89%, ou R$29 milhões, dos investimentos na Polícia Civil e de 26,12%, ou R$98,3 milhões, do custeio da Polícia Militar em 2015.

Com informações do Portal da ALMG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *