Deputados querem debater segurança em Minas com ministro da Justiça

Crédito: Assessoria Deputado Sargento Rodrigues
Crédito: Assessoria Deputado Sargento Rodrigues

O caos na segurança de Minas Gerais ditou o tom da reunião da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na manhã desta terça-feira (31/10). Além debater a situação de uma escola estadual da capital mineira que acumula mais de 60 boletins de ocorrência por assaltos, furtos e depredações, a comissão aprovou requerimentos para discutir a segurança no interior. Também foi apresentado requerimento para debater a situação do estado com a presença do ministro da Justiça Torquato Jardim.

De autoria dos deputados Sargento Rodrigues e João Leite, o requerimento apresentado para a audiência pública com o ministro deve ser votado na próxima reunião. De acordo com o deputado João Leite, diante da insegurança no estado – diariamente noticiada – o próprio ministro demonstrou interesse em vir à Assembleia para debater o assunto.

“Estamos passando por situações lastimáveis na segurança pública de Minas. Faltam investimentos, o sistema prisional está à beira de um colapso com a saída dos agentes contratados, equipamentos estão sucateados. Mandamos nossos policiais para as ruas com coletes que não oferecem mais segurança de tão velhos. Policiais esses que estão recebendo seus salários parcelados e atrasados. Sofrem nossos agentes da segurança e sofre toda a população. Essa audiência, com a presença do ministro, se faz necessária. Esse governo não age. Precisamos fazer tudo que podemos”, frisou o deputado João Leite.

Dados divulgados pelo Fórum Nacional de Segurança Pública na última segunda-feira (30/10) mostram que Minas está ocupando uma posição assustadora nas estatísticas de criminalidades. Em 2016 foram registrados 4348 óbitos intencionais no estado, o que dá uma média de 12 pessoas assassinadas por dia, uma morte a cada duas horas no estado. No cenário nacional, Minas é o quinto estado mais violento e o quarto estado com maior número de homicídios.

Em outro ponto, os dados do documento do Fórum Nacional reforçam o que a oposição vem apontando: os investimentos ligados à segurança caíram drasticamente. Entre 2015 e 2016 os gastos do governo de Minas com informações e serviços de inteligência caíram 64%, com policiamento a redução foi de 32,4% e nas ações de Defesa Civil os recursos foram reduzidos pela metade.

Escola sob ameaças
Durante o debate sobre a insegurança a que estão sujeitos os alunos e professores da Escola Estadual Professor Magalhães Drumond, localizada no Bairro Nova Cintra, em Belo Horizonte, chamou a atenção a ausência da diretora da escola Ana Maria Ramos Goulart, uma das pessoas mais empenhadas em buscar soluções para os recorrentes atos de violência que a escola vem sofrendo.

Já foram registrados mais de 60 boletins de ocorrência na escola, que variam entre roubo de equipamentos e mobiliário, assaltos de alunos e funcionários, depredações, pichações e outros. De acordo com informações recebidas pelo deputado Sargento Rodrigues, a diretora não compareceu à Assembleia porque a Secretaria de Estado de Educação (SEE) marcou uma reunião com ela para o mesmo dia e horário da audiência. Vale frisar que o governo não enviou representantes – nem da SEE e nem da Polícia Militar.

“As artimanhas deste governo de acobertar a gravidade da situação que estamos enfrentando no estado não param. E não podemos ficar só assistindo o crime fazer isso com uma escola, implantar o medo onde o estado tem o dever de oferecer segurança. Não vamos parar de denunciar, debater e buscar soluções. A cada dia a verdade se sobrepõe à maquiagem que esta gestão tenta vender, com o marketing de investimentos que nunca chegaram à nossa segurança. Precisamos mais do que nunca nos movimentar, informar aos prefeitos, aos vereadores, à população do estado o que estamos enfrentando e exigir a atenção do governo à Segurança Pública”, reforçou o deputado Sargento Rodrigues.

Assessoria do Bloco Verdade e Coerência 

Deixe uma resposta