Dezenove ambulâncias do Samu estão paradas em galpão

Veículos deveriam atender 103 municípios, mas aguardam consolidação de consórcio desde 2015

Dezenove ambulâncias novas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) estão paradas em um galpão, às margens da MG–424, em São José da Lapa, na região metropolitana de Belo Horizontes. Os veículos foram cedidos ao Estado em novembro de 2015, nunca prestaram socorro a pacientes, e a previsão da Secretaria de Estado de Saúde (SES) é que eles só comecem a rodar em outubro. Com custo entre R$ 122.750 e R$ 150,6 mil, eles representaram gastos de pelo menos R$ 2.861.400,00 aos cofres públicos e deveriam atender moradores de 103 municípios.

A coordenadora de urgência e emergência da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Kelly Barros Fortini, explicou que as ambulâncias serão usadas no processo de regionalização do Samu. Elas serão destinadas à chamada Região Ampliada de Saúde Centro. O processo está emperrado na etapa de adesão de municípios – 81 deles já oficializaram a participação; falta agora a entrada de outros 22. Para começar a funcionar, os gestores precisam aderir ao consórcio Aliança, criado para gerir o serviço, e pagar uma contrapartida. Segundo Kelly Fortini, com as eleições municipais e a troca de comando em várias prefeituras, é preciso trazer os novos gestores para o projeto e ainda “convencer” os prefeitos de cidades que já haviam aderido a manterem o compromisso de participação. “Estamos no processo de sensibilização desses novos gestores”, afirmou.

O uso das ambulâncias para outras finalidades que não o consórcio é vetado, de acordo com o governo mineiro, pelo termo de doação entre Ministério da Saúde e Secretaria de Estado de Saúde. O documento prevê, inclusive, sanções.

Consórcio. O secretário executivo do Consórcio Aliança, Cláudio Roberto Prates, informou que o galpão onde as ambulâncias estão guardadas está alugado por R$ 17 mil mensais. O local funciona como um centro de logística, onde são estocados e remanejados medicamentos, por exemplo.

Os equipamentos das 19 ambulâncias estão armazenados dentro do galpão e serão, conforme o secretário, posicionados quando os veículos forem utilizados. O consórcio é o responsável por realizar a manutenção dos veículos – o valor gasto não foi informado. Sobre o início da operação das ambulâncias, Cláudio Prates informou apenas que essa questão é de responsabilidade dos entes públicos.

Outros. Em visita ao galpão, a reportagem encontrou ainda dois micro-ônibus e um caminhão-baú. O secretário executivo informou que os ônibus estão sendo usados para transportar pacientes entre municípios. Já o caminhão é usado para distribuir medicamentos.

Tamanho. A Região Ampliada de Saúde Centro é composta por 103 municípios e tem 6.104.310 habitantes. A área dos municípios soma 56.812 km², segundo informações do Consórcio Aliança.

Leia na íntegra: O Tempo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *