Moradores temem mudança

População de BH receia que PM feche as companhias e que as bases móveis não funcionem

Moradores e representantes de associações de Belo Horizonte começaram a se mobilizar contra a possibilidade do fechamento de algumas companhias da Polícia Militar (PM) na capital. Conforme noticiado nessa quinta-feira (22) por O TEMPO, cada companhia pode ser trocada por uma média de quatro ou cinco bases de segurança – que funcionarão em vans.

O principal receio da comunidade é que os veículos se deteriorem com o tempo e a população não tenha nem companhias, nem bases. A PM, no entanto, garante a sustentabilidade e eficiência do modelo.

O presidente do Movimento das Associações de Moradores de Belo Horizonte (MAM-BH), Fernando Santana, lembrou que há alguns anos as viaturas da PM não rodavam, muitas vezes, por falta de combustível. “As bases deveriam somar (na segurança). São 50 associações, e o que elas têm me passado é uma preocupação com o fechamento das companhias”, completou.

O major Flávio Santiago, chefe da Sala de Imprensa da PM, informou que está sendo analisado o encerramento de algumas das 24 unidades da capital, e não de todas. As 9ª e a 21ª Companhias do 34º Batalhão são algumas unidades que correm o risco de fechar.

Santiago informou que o estudo leva em consideração companhias que funcionam em prédios alugados, estão mal-localizadas ou apresentam sucateamento.

Mobilização. Vanessa Regina Freitas da Silva, 37, moradora do bairro Padre Eustáquio, na região Noroeste da capital, participa da rede de segurança do local e começou a mobilizar líderes de outros bairros. O objetivo é entender como essas bases de segurança vão funcionar.

“A companhia veio para cá por causa da pressão. Temos contato direto com a unidade, e isso nos deu a possibilidade de trabalhar em conjunto. Ter uma companhia dá mais segurança”, considerou.
O deputado federal Sargento Rodrigues (PDT) informou que vai discutir o possível fechamento de companhias em uma audiência pública. A expectativa é que a reunião aconteça nos próximos 15 dias. Autoridades da área de segurança também serão convidadas.

Leia na íntegra: O Tempo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *