O novo esforço de reforma política

Foi instalada e teve seu plano de trabalho aprovado a nova Comissão Especial da Reforma Política. É a quarta comissão sobre o tema da qual faço parte. Tivemos tentativas frustradas em 2011, 2013 e 2015. Estou convencido de que, apesar da consolidação da democracia no Brasil, temos um dos piores sistemas do mundo e precisamos mudar.

O assunto é extremamente polêmico, e vale aqui a regra “cada cabeça, uma sentença”. Cada deputado ou senador tem uma reforma própria na cabeça. Sofremos de uma circularidade lógica perversa, na qual não resolvemos o problema porque temos o problema. Como fazer uma verdadeira e profunda reforma política com 27 partidos representados no plenário da Câmara? A construção de consensos substantivos acerca do tema é tarefa complexa e difícil.

De pronto, é preciso aplainar o terreno e alinhar um conceito fundamental. A democracia tem valor universal e permanente. A liberdade é o caminho para a construção do futuro. Vale aqui a afirmação do grande estadista inglês Winston Churchill: “A democracia é o pior sistema, exceto todos os outros que foram experimentados”. Há submersas no universo político brasileiro, à direita e à esquerda, correntes que namoram o autoritarismo. Neofascistas ou bolivarianos que conspiram contra a consolidação da liberdade e da democracia. São setores amplamente minoritários, mas o “ovo da serpente” tem que ser combatido a cada minuto.

Dito isso, é preciso reconhecer que a democracia implica a existência de um quadro partidário, eleições e candidaturas e custos. “Não há almoço grátis”, alertava um economista de Chicago. Portanto, há que se ter um modelo de financiamento da democracia.
Nosso sistema político, partidário e eleitoral vive profunda crise. O esgotamento do atual modelo é visível. A grande incidência de abstenções, nulos e brancos nas últimas eleições é um sintoma.

As revelações trazidas à luz pela Lava Jato, outro.

O trabalho da comissão terá cinco eixos temáticos, a saber: representação da sociedade com a mudança do sistema eleitoral, a modernização e o fortalecimento do sistema partidário, o financiamento da democracia, os instrumentos de democracia participativa e os aspectos acessórios (prazos, tempo de TV, regulamentação de pesquisas, instrumentos de propaganda etc.).
Como não mudar se 70% dos brasileiros não sabem nem sequer dizer o nome de seu deputado um ano após as eleições? Como não mudar as regras de financiamento se a Lava Jato criminalizou até o caixa 1 e a realidade da última eleição foi o império do autofinanciamento de milionários e o mascaramento do caixa 2 por doações suspeitas de pessoas físicas? Como conviver com um quadro partidário disfuncional, pulverizado e fragmentado, que inibe decisões essenciais para o Brasil?

A comissão deverá trabalhar até abril de 2017. Participe, opine, acompanhe, mobilize, pressione. É o futuro da democracia brasileira que estará sendo decidido.

Por: Marcus Pestana – Artigo publicado no jornal O Tempo em 14/11/2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *