Oposição cobra explicações do governador

O Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais aprovou nesta quinta-feira (03/12) requerimentos dos deputados Gustavo Corrêa (DEM) e Tito Torres (PSDB) solicitando ao governador de Minas, Fernando Pimentel, informações sobre atos de sua gestão. Dentre os questionamentos estão a divulgação de dados inverídicos sobre a situação do Estado, a paralisação de obras no programa Caminhos de Minas, além de explicações sobre a circulação de uma edição extra do jornal Minas Gerais, em março, com o veto à criação da secretária de Recursos Humanos.

Gustavo Corrêa, líder do Bloco Verdade e Coerência, explica que ao longo de 2015 Fernando Pimentel protagonizou momentos em que demonstrou total falta de conhecimento de gestão pública.

“O governador além de não entender nada de administração pública, ainda está muito mal informado. Primeiro tenta fazer uma reforma administrativa, vetando a secretaria que ele próprio acabara de criar. Inclusive, nós, deputados da oposição, alertamos que essa pasta não era necessária e apenas criaria mais despesas para o governo e serviria de cabide de empregos para a companheirada. Depois, sem ter sucesso em suas ações, começa a desqualificar seus antecessores, criando diagnósticos com dados que nunca existiram. Esse é o jeito do PT de governar”, afirmou o parlamentar.

Com os requerimentos 578/2015 e 1.015/2015, Corrêa pede, respectivamente, pedido de informações sobre a divulgação de dados mentirosos ou manipulados nas áreas de segurança, educação, Cidade Administrativa, gestão, cultura, inovação e saúde, e sobre a data, a quantidade de exemplares impressos, a relação dos destinatários com a data de encaminhamento e de recebimento dos exemplares, da edição extra do Minas Gerais do dia 27/3/2015.

Isso porque foi nesta data que o Diário Oficial trouxe o veto do governador à criação da secretária de Recursos Humanos. Na ocasião, somente a versão eletrônica foi veiculada, contrariando a legislação que diz ser necessária a circulação da edição imprensa do jornal. Isso, ao se confirmar, tornaria inválido o ato do governador.

Outra demonstração de falta de planejamento deste governo é a paralisação de projetos importantes que vinham sendo executados em Minas. Este é o caso do programa Caminho de Minas que motivou o requerimento nº 997/2015 do deputado Tito Torres. Nele, o parlamentar solicita seja encaminhado ao governador do Estado e ao secretário de Transportes pedido de informações sobre os projetos paralisados, em licitação e a licitar, do programa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *