Oposição na ALMG quer esclarecimentos sobre denúncias contra Pimentel

nota

Novos indícios na operação Acrônimo, da PF, apontam governador como intermediário de repasses para beneficiar campanha de Dilma

Diante dos desdobramentos da operação Acrônimo e das últimas notícias do envolvimento do governador Fernando Pimentel em irregularidades nos repasses à campanha da presidente Dilma Rousseff, o bloco de oposição na Assembleia Legislativa apresentou nesta quarta-feira (30/03) pedidos de providências para que a Casa possa ter acesso ao teor das investigações envolvendo o governador e sua esposa Carolina Oliveira.

Ao todo foram entregues cinco requerimentos ao Plenário da Casa. Na justificativa, os deputados do Bloco Verdade e Coerência explicam que é preciso conhecer se de fato houve e a natureza do envolvimento de Pimentel nos esquemas de lavagem de dinheiro e caixa dois investigados pela Acrônimo devido à gravidade das denúncias.

Um dos requerimentos solicita que seja encaminhado ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pedido de informações sobre o depoimento da publicitária Danielle Fonteles, dona da Pepper Interativa e uma das integrantes do esquema. Na última segunda-feira (28/03), Danielle teria confirmado em delação premiada o recebimento de R$ 6,1 milhões da Andrade Gutierrez por serviços prestados à campanha de Dilma. Segundo ela, o contrato com a Andrade foi firmado a pedido de Pimentel.

De acordo com o líder da Minoria, deputado Gustavo Valadares (PSDB), é preciso saber se Pimentel foi apontado pela publicitária como o responsável por intermediar os repasses à campanha de Dilma Rousseff. “As denúncias são graves e, se confirmadas, comprovam a existência de um grande esquema para eleger a presidente Dilma e do qual Pimentel se torna o principal intermediador dos recursos oriundos de corrupção em favor de sua companheira de partido”, afirmou.

Foram apresentados também mais quatro requerimentos que solicitam, dentre outras informações, que a OPR Consultoria preste esclarecimentos sobre a ligação de Pimentel com a empresa. Em junho de 2015, a Polícia Federal encontrou objetos pessoais do governador em busca realizada na sede da OPR.

Veja os demais requerimentos:

Solicitar ao Assessor Especial da Secretaria de Fazenda, Otílio Prado, a relação de todas as despesas pessoais de Fernando Pimentel e de sua esposa Carolina de Oliveira. Solicita-se também a especificação dos respectivos valores e datas de pagamento, em especial aos referentes a três imóveis de Brasília (DF), realizados em nome de Carolina Oliveira, bem como do pagamento de reforma em apartamento de um prédio de luxo na Rua do Ouro, em Belo Horizonte, onde Pimentel morava antes de se mudar para a residência oficial do governador.

Solicitar à Pepper Interativa a relação dos pagamentos de faturas de cartão de crédito realizadas em favor de Carolina Oliveira, esposa do governador Fernando Pimentel, e a motivação destes pagamentos.

Solicitar à senhora / que esclareça os seguintes pontos sobre a troca de mensagens entre ela e o empresário Benedito Rodrigues de Oliveira, o Bené, às 23h20 do dia 25 de fevereiro de 2014.
A sigla “FP” se refere ao atual governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel? Foi ele o responsável pela sua indicação ao cargo de Subsecretária de Assuntos Administrativos?
Qual a razão de sua indicação para o cargo de Subsecretária de Assuntos Administrativos?
Qual sua participação na contratação, pelo Ministério da Saúde, dos serviços da empresa Gráfica e Editora Brasil, administrada pelos irmãos e pai de Benedito Rodrigues de Oliveira, o Bené.

Deixe uma resposta